domingo, 27 de dezembro de 2009

Coisas de bifes




Então não é que aquele pudding delicioso é feito com "Madeira cake", ou como também já vi escrito "Madiera". Mas não é o bolo de mel da Madeira que eu conhecia, é sim um bolo tipo pão de ló, que é tradicionalmente acompanhado de vinho da Madeira ("Madiera")...
As coisas maravilhosas que descubro aqui!

(imagens tiradas da net: em cima - bolo (de mel) da Madeira; em baixo - Madiera cake.)

sábado, 26 de dezembro de 2009

Um Natal britânico II



O tal do pudding com raspberry sauce, uma delicia!

Um Natal britânico

O Natal até foi bastante divertido, tendo em conta que o passei longe da família e dos amigos, embora já possa referir-me à M. e ao C. como amigos. E eles tratam-me como uma amiga, mais que uma visita mesmo. Por outras palavras, "I'm being spoiled rotten"!

A véspera de Natal foi um dia igual aos outros, excepto pelos telefonemas e sms da minha família e amigos. Estive de folga, andei a tratar da minha quinta no Farmville (viciadaaaaaaaaa), a falar com pessoal no msn. Não houve cá bacalhau com batatas, couvitas e azeite, mas tendo em conta que o bicho está em vias de extinção, até foi uma coisa boa. Isto se não pensar nas resmas de ingleses que comem fish and chips, afinal não é só o tuga que acaba com o bacalhau... E, acho que pela primeira vez desde que tenho memória, não passei a manhã na cozinha a fazer bolos e a ajudar com as filhoses e os sonhos. Acho que foi o que me fez mais impressão foi mesmo a comida. Apesar de não ser fã de doces, sabia bem provar um sonho dos da minha mãe ou uma rabanada, ou até mesmo uma fatia de bolo-rainha! Pronto, estou com carência de açúcar e canela! (LOL)


Manhã de Natal. Fiz um esforço para acordar cedo, apesar de me ter deitado e adormecido tarde. Eu e a M. andámos a arrumar a mesa e a preparar o pequeno-almoço. Veio um casal amigo deles passar o Natal, a senhora era um prato, de ir às lágrimas! Portanto, às 11h30 estavamos todos sentados à mesa, a comer ovos mexidos, tomate, bacon e salsichas grelhados, salmão fumado, torradas, café e...champagne com crème de cassis, que é uma coisa assim pró chiquérrima e que me faz sempre lembrar o Poirot, pois era a sua bebida favorita.
Depois do brunch "levezinho", fomos para o lounge (não se diz living room, é lounge) abrir as prendas com muitos ahhhhhs e ohhhhhs e lovely e gorgeous e bril!
Eu recebi um par de meias natalicias (que de imediato estreei), uma caixa de chocolates, uma pulseira, uma bolsa para a maquilhagem, um lenço/cachecol, um casaco. Por brincadeira, a M. também me embrulhou um Cadbury Dairy Milk Caramel, por saber que é o meu chocolate favorito. Esta gente é mesmo fofa!
Depois de termos trocado as prendas todas, decidimos jogar wii.
Eu ganhei no bowling, o C. ganhou no golf e ainda experimentámos o boxe, mas era chato porque só tinhamos um comando. De modos que, quando demos conta, era hora de tirar o perú do forno. O Christmas ham já estava feito e era uma delícia! Tudo acompanhado de couves de bruxelas, cenouras, batatas assadas super crocantes, parsnips (que não faço ideia do nome em português), gravy (o molho de carne que os bifes adoram meter nos assados) e uma cena muita estranha que eles chamam stuffing, supostamente devia rechear o perú mas a M. prefere à parte, assim tipo umas bolinhas que a mim só me sabiam a caldos knorr. Portanto, foi enfardar com fartura, tudo bem regado com tintol da Califórnia e de Espanha. Escusado será dizer que ninguém tinha espaço para o pudding!
Depois da paparoca, estivemos em directo no Skype a falar com as filhas da M. e do C. e com a filha do casal que estava connosco. São as 3 dançarinas, uma está em Portugal, no Casino de Monte Gordo e as outros duas estão cada uma em seu cruzeiro nas Caraíbas, onde fazem espectáculos de dança. O Skype é mesmo uma coisa assim fenomenal, podermos falar, ver e ouvir pessoas que estão a km de distância é fantástico!
Quando já estávamos cansados de tanto comer de dar à língua, fomos ver um dvd que o C. recebeu no Natal. Era o espectáculo dum comediante de stand-up famoso por aqui, chamado Michael McIntyre. O que eu me ri! Foi de ir às lágrimas, muito fixe mesmo.
E quando demos por ela, eram 2 da manhã e fomos dormir.


Hoje, Boxing Day, fizemos um brunch exactamente como no dia de Natal, crème de cassis e tudo e fomos ver tv. Estou a transformar-me numa bolinha! Vou ali, comer pudding com raspberry sauce e já volto!

PS - a imagem é dos Christmas crackers, uma coisa que eu achei engraçadissima. É assim tipo um embrulho de papel em forma de rebuçado, lá dentro tem um estalinho, uma prenda e uma anedota. Cada pessoa pega num lado do cracker e quem ficar com o lado maior, fica com a prenda. Quando o cracker se abre, rebenta o estalinho! Fantástico! (estes bifes inventam com cada uma!)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Antes que me esqueça: HO HO HO (de novo)

Votos de um Feliz Natal para os meus amigos e leitores, os que comentam e os anónimos!
E que entrem todos em 2010 com o pé direito!





PS - Quem é que me anda a ler no Brasil? Fiquei curiosa!

I'm a celebrity, get me out of here!

Já sou famosa no hospital por ser portuguesa e ninguém conseguir pronunciar o meu apelido, agora vou aparecer no jornal do grupo BMI como a mais recente aquisição no estrangeiro, assim tipo jogador de futebol, estão a ver? Tiram-me hoje fotografias de surpresa e amanhã é a entrevista.

(o fotógrafo queria à força toda tirar-me uma foto sentada numa cama, tive que lhe explicar mil vezes que as enfermeiras não se sentam nas camas dos doentes :p)

sábado, 19 de dezembro de 2009

HO HO HO II

O hospital ofereceu a todos os funcionários (eu incluída) uma caixa de chocolates e uma garrafa de espumante australiano.
 Que fofos! ;o)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

I lift up my glass!

Obrigada, querida Patxi , pelo post que me dispensaste no teu blog :)))
As palavras que encontraste para mim são tão, mas tão verdadeiras, finalmente posso celebrar e levantar o copo em jeito de sentimento de missão cumprida. E, sem dúvida, estas palavras também são reais:


"Where we love is home - home that our feet may leave, but not our hearts."
Oliver Wendell Holmes


E isto também me fez lembrar uma música:




Cheers, Patxi!!

sábado, 12 de dezembro de 2009

Soltas

As semanas parece que passam a correr. Já estou aqui há 2 meses e 12 dias e ainda tudo me parece tão novo. São as pessoas no hospital que me cumprimentam sempre com um "Hiya, Elsa! How are you?" com um sorriso. São os doentes que me perguntam de onde sou e dizem que tenho um sotaque delicioso. É comer fish and chips feitos no forno, assim já gosto! É a M. a dar-me um abraço quando chego a casa e a oferecer-me um copo de vinho enquanto me pergunta pelo meu dia. É ir a um pub ao domingo, ver o D. e a banda a tocar músicas que toda a gente conhece menos eu. É achar piada ao Gino do "I'm a celebrity, get me out of here!", é interessar-me por quem ganha o X-factor (cuja final é esta noite, btw). É comer curry uma vez por semana. É vir no comboio com os miúdos todos acabadinhos de saír da escola, de uniforme, com as mãos cheias de doces, todos os dias. É levantar-me às 5h30 para fazer manhã. É comer uma sandes ao almoço. É beber não sei quantos cappuccinos e espressos por dia porque são de graça e é preciso energia para trabalhar. É ver os esquilos a brincar no jardim do hospital. É chover praticamente todos os dias e ver os bifes de manga curta quando abre um pouco de sol. É ter aquecimento central e andar de manga curta em casa...
Muita muita coisa! Apreendo tudo e vou digerindo estas coisas novas e "interessantes" que me fazem rir.
Uma amiga perguntou-me se me estava a divertir muito. Não lhe posso chamar divertimento, farto-me de trabalhar, mas estou a adorar esta experiência. É que, por enquanto, é tudo novo!
Vem aí o Natal, vai ser um Natal à inglesa para mim. No hospital vamos ter o almoço do pessoal, com os tradicionais Turkey e Xmas pudding. Aqui em casa, já está tudo decorado, quase todos os dias a M. encontra mais uma luz ou um enfeite para acrescentar a todas as luzes e enfeites que já estão pendurados.
A passagem de ano já está combinada. Jantar num indiano todo chique em Londres, ver o fogo de artifício e depois Ministry of Sound na O2 Arena. E na 2ª feira vou enviar os meus postalitos de Natal.
Carta ao Pai Natal? Que mais posso desejar? Já pedi um telemóvel desbloqueado jeitosinho. Bacalhau, presunto, vêm a caminho. Azeitonas e azeite temos com fartura por aqui graças à comunidade italiana de Worthing. Talvez mais uns dias de férias para poder dividir entre uns dias em Almada, Quinta do Lago, Porto e a viagem à Índia (hello, Patxi, temos que combinar!).
Vou aproveitar para pôr o sono em dia este fim de semana que estou de folga :))) weeeeeeeeee.
Beijinhos!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Precisa-se: Enfermeiros para o Reino Unido!

Os dias têm passado a correr, com muito muito trabalho. Os cirurgiões querem despachar o trabalho todo antes do Natal, por isso é sempre a aviar!
Escrevo este post na ténue esperança de algum enfermeiro googlar palavras como Enfermeiro, Enfermagem no Reino Unido e vir aqui parar. Portanto, se és enfermeiro, tens um bom nível de conhecimentos de Inglês falado e escrito e queres trabalhar no sul de Inglaterra, envia-me um e-mail para unwrittenlife@gmail.com com o teu cv, em inglês de preferência! O Goring Hall Hospital, um hospital privado da rede BMI Healthcare está desesperado por mais enfermeiros, andamos a recorrer a enfermeiros de agências em quase todos os turnos, o que não é nada bom para os doentes nem para o hospital.

sábado, 28 de novembro de 2009

Ho Ho Ho Santa is coming to town!

Já se sente o Natal a chegar e hoje andámos todos de volta das decorações cá em casa.
Só um cheirinho para vocês terem uma ideia!




(e pode ser que o Pai Natal se aperceba que preciso duma máquina fotográfica lol)

sábado, 21 de novembro de 2009

sooooooooooooonoooooooooooo

Ontem, depois de fazer tarde, cheguei a casa, troquei a farda por roupas normais e fui assistir a um concerto da banda do noivo da filha dos meus senhorios (perceberam quem é? lol). O rapazito tem uma boa voz e os guitarristas e baterista também não eram nada maus, por isso foi uma noite bem passada. Infelizmente, sem ter jantado e com rodadas sempre a saír, fiquei assim um bocado pró toldadita. Foi chegar a casa, comer uma tosta de queijo grelhado que até soube a pato e enfiar-me na cama, completamente ko. Às 5h30 da madrugada o despertador tocou (não, não foi às 4 nem foi o passarinho) e lá me arrastei para o trabalho. Ai como me custam estas manhãs! Viva o espresso grátis que a BMI disponibiliza! Upa upa!
Vou dormir a sesta, ok? :p

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

ai qui gostoso falar português!

Hoje fui a Brighton (a cidade grande) tratar do meu número de National Insurance.
Fui muito bem atendida, até fiquei admirada com a rapidez e eficiência da coisa!
Claro que tive que estar a explicar ao funcionário a diferença entre um "C" e um "Ç"...mais o meu apelido que lhes parece impossível de pronunciar :P
De volta à estação de comboios (fez-me lembrar a Victoria, de Londres), parei num quiosque para comprar um café e fui atendida por uma senhora que tinha todo o ar de não ser inglesa, mas como disso se vê imenso por aqui nem pensei duas vezes... Vai daí que ela me pergunta de onde sou! E quando eu respondo, a sorrir (sorriso amarelo, porque me perguntam isso umas 20 vezes por dia), ela começa a falar comigo...em português! A senhora era brasileira, vejam só! E no fim comentou "como é gostoso poder falar um pouco de português aqui". Gostoso? Minha senhora, eu fiquei tão emocionada que me engasguei com o cappuccino e até me vieram as lágrimas aos olhos!
Ah, pois é, os tugas andam em todo o lado! ;o)

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Novidades por cá

Mudei-me no sábado e estou a deitar as mãos ao céu pela mudança. O casal com quem vivo é muito porreirinho, ela cozinha maravilhosamente, tem ambos um excelente sentido de humor e são uns fofos.
Tenho comido uma boa refeição quente todos os dias com eles, se chego tarde do trabalho tenho um prato no microondas para aquecer. Nada a ver com a outra casa onde estava... Pronto, aqui não há cães nem gatos para fazer festinhas, mas sinto-me muito mais confortável, como com eles, vemos tv juntos, conversamos... Fazem-me sentir em casa! O que é fantástico!
De transportes também não tenho razão de queixa. Tenho a estação de comboios ao virar da esquina e depois são três ruas até ao hospital. Em termos de horários é óptimo para mim, apesar de, na 4ª feira ter ficado meia hora à noite à espera de comboio, tudo porque tivemos um turno complicadíssimo e não deu para despachar a horas.
Quanto ao trabalho, está a correr muito bem! Como em todo o lado, há pacientes e colegas difíceis. Os pacientes não me apoquentam, não sou de tratar mal ninguém, levam sempre com o meu sorriso em cima e umas palavras doces e derretem-se todos ;)  A colega "escocesa do inferno" (a alcunha que lhe dei), é que é a piorzita, embirra com toda a gente e é mandona, pelo que ouvi ninguém a grama muito, mas eu nem comento nada, não vá chegar-lhe alguma coisa aos ouvidos e eu não quero criar mau ambiente de trabalho.
Mais dia menos dia chega o meu cartão com o PIN do NMC e começo a trabalhar sem supervisão. Já paguei a cota. 76 libritas, até doeu! Portanto, em breve, começo a trabalhar "sem rede" ;) Grande aventura! E que excitação! Nada como aquele nervoso muidinho para nos fazer sentir vivos eheheheheh
A grande chatice é que o hospital tem tanta falta de enfermeiros que tenho a sensação de estar a ser empurrada para começar a  trabalhar por minha conta e não tenho a certeza se me sinto preparada. Quando são dias calmitos, não há espiga. O pior é que parece que, ultimamente, os dias são todos complicados, com imensas cirurgias, pacientes a entrar e a saír do bloco, admissões e altas, tudo ao mesmo tempo, o que se torna bastante complicado de gerir com a falta de enfermeiros...
Enfim...a ver vamos!

domingo, 1 de novembro de 2009

À terceira é de vez??

Vou mudar de casa, novamente.
Na casa onde estou agora é impossível ter transportes públicos para chegar ao trabalho a horas de manhã e também não tenho autocarro para voltar quando faço tarde. Por enquanto, tenho tido sempre boleia na maioria dos turnos, mas isso vai mudar quando começar a contar para as horas de cuidados (ainda estou em integração, sou supra-numerária).
Uma manager do hospital conhecia um casal que pôs recentemente um quarto para alugar e fui vê-lo hoje. A casa é fantástica, decoração super moderna e estilosa, o quarto é maior que este, estou no centro da cidade, com transportes à porta a toda a hora e as contas (incluíndo refeições) estão todas incluídas na renda. E o casal pareceu-me adorável e "easy-going". Nada a ver com a picuínhas da R.
Vamos todos torcer para que eu não tenha que me mudar tão depressa, depois disto, ok?

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Weeeee I'm a registered nurse!

Estou muito muito contentinha porque ontem chegou a resposta ao meu pedido de registo no NMC (Nursing and Midwifery Council) dizendo que está completo e que fui aceite!
Já posso trabalhar (e ganhar) como enfermeira no Reino Unido!
Weeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee :))))

terça-feira, 27 de outubro de 2009

NHS, simples e barato!

Uma das primeiras coisas que fiz quando cheguei cá foi inscrever-me numa clínica do National Health Service, a conselho da minha agência.
Simples e rápido. Cheguei lá e inscrevi-me, preenchendo um inquérito sobre o meu historial clínico. Passados uns dias, e apesar da greve dos correios, chegou cá a casa o meu cartão do NHS.
Hoje, como estava de folga, decidi tirar o dia para ir ao banco, fazer umas compras para levar comida para o trabalho e passei pela clínica para saber como era para pedir medicamentos. Não, não é nada do que estão a pensar. O meu medicamento para a profilaxia da enxaqueca está a terminar.
Fiquei a saber que o meu médico começava as consultas daí a hora e meia, pelo que fui dar uma voltita. Quando chegou a hora, já havia pessoas à espera, mesmo assim só esperei uns 15 minutos pela minha vez. O médico fez-me umas perguntas sobre o meu historial, verificou que o medicamento que eu tomo cá no UK se vende sem prescrição (over the counter) e reencaminhou-me para a farmácia com uma prescrição doutro similar. Saí (sem ter que pagar nem assinar nada) e fui à farmácia onde assinei a prescrição, paguei uma taxa de 7,20 libras (o medicamento em Portugal custava 21 euros e tal, por caixa) por 2 caixas e voltei para casa.
Simples, não?

domingo, 25 de outubro de 2009

A walk by the seafront


Na 6ª feira fiz manhã e precisava urgentemente de comprar um relógio de enfermeira. Portanto, desfardei-me no final do turno e decidi ir a pé até Worthing, pelo calçadão. Não parecia muito longe, mas demorei mais de uma hora a chegar às lojas, com os pés que nem podia. Só deu para comprar umas coisitas: o relógio que já tinha visto, tinta para o cabelo (os meus brancos já estavam todos à mostra!), creme para o corpo, chá e crumpets. Nem deu para ir ao Costa beber um espresso, a maior parte das lojas fecham às 17h30 e às 18h30 já tinha o jantar na mesa, por isso liguei à R. a dizer que ía a caminho e apanhei o autocarro para casa.
Só tenho que dar graças aos céus por ter nascido com um sentido de orientação tão bom, porque da seafront até às lojas ainda era um bocado e não havia placa nenhuma. Não deu para ficar a ver montras porque tinha pressa, fica para o próximo dia de folga. Um senhora muito simpática a quem perguntei onde podia apanhar o autocarro foi comigo até à paragem. Tenho tido imensa sorte com as pessoas a ajudarem-me a encontrar os caminhos ou a fazer compras, pensei que os bifes fossem um bocado antipáticos!
E pronto, foi chegar a casa, descalçar-me, jantar e acabou o dia!
Sábado e domingo é folga, aproveito para estudar cirurgia (e meter o blog em dia).

1ª semana


A primeira semana passou a correr!
No 2º dia já tive direito a farda de enfermeira, apesar de ter que trabalhar (e ganhar) como health care assistant enquanto não vier o meu PIN do Nursing and Midwifery Council (NMC). Dizem que demora 3 meses, se estiver tudo em ordem. Espero que esteja! E também estou à espera que o Criminal Record Bureau entregue o meu registo criminal de cá :p enquanto não vier, não posso prestar cuidados aos doentes (teoricamente). Tanta papelada que andei a correr para tratar, quem me dera ter sabido antes, já tinha entregue mais este papel também antes de vir para cá...
Portanto, teoricamente, ainda não posso fazer NADA, só observar o trabalho das outras enfermeiras. Mas, felizmente, há umas que não são muito comichosas com isso, especialmente a I., que é a enfermeira que está a fazer a minha integração. Ela deixa-me ver sinais vitais, fazer alguns registos, ajudo a fazer camas, mobilizar doentes, etc. Mas apanhei outra, uma escocesa com um sotaque super engraçado, que é super comichosa. Nesse dia passei umas 5 horas a ler papelada e a correr atrás dela só a ver. Grandessísima seca!
Como ainda sou supranumerária, não conto como prestadora de cuidados e o meu horário é feito semanalmente. Outra seca.
O autocarro que passa aqui leva-me muito tarde para o hospital nos dias em que faço manhã, pelo que o hospital colocou um táxi à minha disposição para esses turnos. Ainda não precisei porque a I. dá-me boleia, ela tem que passar nesta estrada de qualquer maneira, sorte a minha!
Nos primeiros dias, ía trocar de roupa ao vestiário e admirava-me de nunca encontrar ninguém, mas via casacos e roupa pendurada nos cabides. Mas eram só uns 5 ou 6 cabides... E pensava... "Bom, não estou no local errado porque o código abriu a porta...será que estou atrasada? Ou adiantada?" E depois lá descobri que só as pessoas do bloco e da cozinha mudam de roupa ali. O resto do pessoal tem carro e vai fardado para o serviço. As coisas que eu ando a aprender...
Os pacientes, ou melhor, clientes, são muito simpáticos e dizem que o meu inglês é excelente (que queridos lol) ê ainda não houve nenhum que não tivesse ido ou prestes a ir ao "Allgarve". Apesar de haver um acordo com o NHS, a maioria são clientes de seguradoras ou que pagam a totalidade. O hospital funciona como um hotel. Eles têm reserva do quarto para x noites, com menu com vários pratos à escolha. Quartos privativos, com casa de banho e amostrinhas de champô, amaciador, creme para o corpo, ect tal como nos hotéis. Aqui não faltam toalhas, lençóis ou almofadas como nos hospitais em que trabalhei em Portugal. Têm também à disposição  lenços de papel e toalhetes. Os jarros de água (com gelo) são trocados várias vezes por dia e os tabuleiros são de um autêntico room service.
Resumindo, as condições são excelentes. É um hotel em que se fazem cirurgias.

E estou a gostar bastante. Há coisas que me ainda atrapalho a dizer aos doentes, por serem coisas novas e numa língua que não é a minha, mas com o tempo chego lá. As colegas são muito simpáticas (tirando a escocesa, mas já ouvi dizer que ela assusta as enfermeiras das agências que vão para lá). Não tive contacto nenhum com os cirurgiões, que não são chamados de Dr mas de Mr, coisa que estranhei bastante. Mas o pessoal do hospital é todo muito simpático: no refeitório, na recepção, no bloco. Sinto-me bem, acredito que em breve estarei perfeitamente ambientada às maneiras dos bifes.
E vou começar, como a I., a dizer que tudo é "lovely"!
Beijinhos e bom fim de semana!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

1º dia de trabalho

Foi um dia em cheio. A R. foi uma querida e já se tinha oferecido para me dar boleia até ao hospital. O que me deu um jeitaço, porque choveu de manhã ( british weather!).
Passei o dia a familiarizar-me com os registos e a acompanhar três enfermeiras no seu trabalho, o que deu para começar já a ver as grandes diferenças entre a Enfermagem cá e em Portugal. Mas disso escreverei noutro dia, porque francamente, tenho a cabeça a explodir de informação e de coisas novas! Tanto, que hoje nem tive pachorra para tratar da minha quinta virtual no Facebook lol
O jantar foi, como sempre, às 18h30 e já estou a abrir a boca, por isso vou dormir!
Só vim mesmo picar o ponto e dizer como estou feliz por ter conseguido chegar até aqui. Foi um longo caminho e, finalmente, estou a colher a minha recompensa!
Beijinhos!

sábado, 17 de outubro de 2009

There's a cat in my bed! :)))


Apresento-vos a minha nova paixão: o Timothy, Timmy para os amigos.
Esteve aqui a dormir uma sestazita.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

House cats







Será o caso?

It is pure unadulterated country life. They get up early because they have so much to do and go to bed early because they have so little to think about.

The Picture of Dorian Gray
Oscar Wilde


O facto é que ontem às 22h já estava tudo na cama e hoje às 6h eu era a única que ainda não tinha descido para o pequeno-almoço.
Ohhhh simple life!! :))))

domingo, 11 de outubro de 2009

New home away from home :))))

Aqui estou eu, finalmente instalada no quartinho (e casa) onde irei passar os próximos tempos em Inglaterra.

O J. tinha uma competição de golf hoje, mas era o único dia em que me podia dar uma ajuda com a mudança. Portanto, foi-me buscar às 7h30 da matina. Ufa, custou levantar-me ainda de noite, mas vou ter que me habituar.
A casa é muito acolhedora e muito grande. Os donos são a R. (outra R., mas esta não tem nada a ver com a minha ex-housemate!) e o J. (outro J. lol). Vivem 2 filhas com eles, para além dos 4 cães e 4 gatos, mais a ninhada de 5 gatinhos que ainda não têm uma semana de idade. A decoração é toda em tons da natureza, castanhos, beges e brancos, muita madeira. O meu quartinho é bastante confortável, tenho uma tv que funciona mesmo e a internet parece bastante estável (aleluia!) para além de um leitor de dvd's só para mim. Partilho uma casa de banho com as 2 raparigas e, para a semana, hão-de chegar umas estudantes francesas para uma curta estadia. Parece que é comum eles acolherem estudantes de vários países, uma experiência cultural para ambas as partes, segundo me explicaram. A comida e roupa lavada estão incluídas no preço da renda, menos uma preocupação. Isso fez com que hoje tivesse sido a primeira vez que comi uma refeição caseira não cozinhada por mim cá no Reino Unido. A outra R. não cozinhou um único dia em que lá estive, só comia refeições pré-preparadas... Outra mudança, o jantar aqui é às 18h30 e comemos todos juntos e cada um arruma a sua louça. Sim, 18h30, a hora a que nós costumamos lanchar. Calculo que antes de me deitar tenha que ir fazer uma sandocha lá abaixo lolol
A família é muit afável e, como diz a R., agora faço parte da família. Eu não aluguei um quarto aqui, fui adoptada e pago a minha parte do orçamento familiar, foi assim que ela colocou as coisas. É engraçado fazer parte duma família com uma cultura tão diferente, as miúdas são engraçadas, os animais são uns amores, sempre a pedir colinho e festas. Isto parece o céu! :))))
E, durante esta semana, começarei a trabalhar no novo hospital. Só coisas boas, portanto!
Deixo umas fotos do meu quarto lindo (a R. comprou o peluche e as toalhas enfaixadas no laço como prenda de boas vindas, não foi adorável?).

sábado, 10 de outubro de 2009

Celebration - Madonna



Para quem não sabia, celebration é o nome do novo single da Madonna :o)


Estou a fazer as malas (again), amanhã de manhã mudo-me para o quarto novo!!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Shopping day



Hoje de manhã fui com a R. às compras a Gravesend. Era dia de mercado na rua, andei a petiscar queijinhos, fruta e dark ginger pelos variados quiosques ;o)
A R. é daquelas pessoas que compra por impulso e corre as lojas todas à procura de pechinchas, mesmo que não façam falta. Por isso, tem o frigorífico e o congelador cheios de comida, sem contar com a tralha que tem no quarto das arrumações :p Chegámos a casa pelas 2 da tarde e eu já não sabia onde me esconder para fugir à conversa dela. Finalmente, encontrei uma aberta e fechei a porta do quarto e passei a tarde a ler...ufa, já estava cansada!

Estes são os sapatinhos que comprei para a farda. Agora façam favor de durar muito!! (gostam da carpete? eheheheh)
E este é o belo do hamburger orgânico que morfei ontem em Goring.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Celebration!!


Hospital - main entrance

Queria escrever muita coisa, porque hoje foi um dia em cheio, mas estou tão feliz que nem me consigo expressar! Por isso, resumindo:
- o hospital é lindo, as pessoas que conheci lá são super simpáticas,
-almocei com a D. numa casa de comida orgânica, em Goring, e comi metade duma vaca num hamburger, sem falar nas spiced potatoes e na saladona,
- Goring pareceu-me muito, mas mesmo muito bem (depois destes dias no campo então! lol), com um lindo paredão para passear e imensas lojas,
- encontrei alojamento numa casa lindissima, com um jardim adorável e que tem 4 cães, 2 gatos e 5 gatinhos que nasceram na semana passada,
- comemorei com a D. e a R. com uma garrafa de Asti Martini e ía adormecendo no sofá porque a R. não se calava (só não adormeci porque ela começou a rir sem parar),
- Tucs de queijo são muito boas.

Beijinhos!!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

A walk in the country II




















Apesar de ter estado a chuviscar todo o dia (ouvi dizer que na Tugalândia choveu a sério, de manhã), dei corda às perninhas e fui até às lojitas cá do sítio.
Bebi um espresso óptimo (e caro!), comprei uns livros na Oxfam (que perdição, 1.99£ cada) e acabei por trazer mais um chocolatito para casa eheheheheh.

Beijinhos a quem anda por aqui!



Mobile net


A internet móvel tem um cobertura da tanga aqui, que é para não dizer outra coisa. Por isso, aqui estou eu a aproveitar para finalmente publicar no blog (tive que escrever no Word e copiar para aqui hoje) e para pedir desculpa a quem estava a "falar" comigo no msn e no Facebook e eu despareci sem me despedir!

Update!

Já tenho uma meeting marcada para 5ª feira para o novo hospital e o J. já anda a ver quartos para arrendar por perto.


Esperemos que Goring não seja boring!!

Desejem-me sorte!

domingo, 4 de outubro de 2009

A walk in the country


Domingo a R. esteve de folga e recebeu a filha mais os dois netos para o almoço. Eu levantei-me tarde, tomei o pequeno-almoço e decidi dar corda às perninhas, porque já tinha sido avisada que os netos eram umas pestinhas… Fui dar uma volta até às tais lojas, incauta, sem fazer ideia que estava tudo fechado. Mas foi giro na mesma, porque é um passeio agradável e estava um dia bonito. Na volta, sentei-me no único banquito das redondezas e um velhotinho pediu licença para me fazer companhia. E tivemos uma conversa engraçadíssima sobre futebol! Claro, Cristiano Ronaldo e Mourinho foram mencionados, assim como Benfica, Porto e Sporting. O senhor é fã do Man United, como ele lhe chamou e desejou boa sorte a Portugal no ingresso do Mundial. E não me tratou por love nem darling, foi mais young lady eheheheh



Cheguei a casa, nem sei bem como mas não me perdi, fiz o meu jantarito com a cozinha toda para mim, almôndegas com molho bolognesa e pasta mais uma saladinha (dest vez temperada com azeite). A R. chegou e ficámos a ver tv na sala e, maravilha, começou uma adaptação da “Emma”, de Jane Austen. Para a semana (se tiver tv) não me posso esquecer de ver a continuação! Os campos são tal e qual como aqui, muito verde, muita relva, cavalinhos e ovelhas, casinhas engraçadas. Não há é mansões daquelas por aqui por perto, isso é que era giro visitar. Tenho que pesquisar isso quando estiver ligada à net.

A minha housemate

Já deu para reparar que a R. é assim um bocado pró diferente… Por isso, decidi que ela merecia um post só dela.
A R. deve ter uns 50 e tal anos, divorciada, está sempre afogueada e corada e nunca vi uma pessoa tão cabeça no ar como ela. É sul-africana e vive no Reino Unido há 10 anos. Fala fala fala sem parar e penso que, muitas vezes, se esquece que eu só estou em Inglaterra há uns dias e não entendo metade das referência que ela faz (já percebi que o John é o irmão, pelo menos) . Nem é bem o problema do inglês não ser a minha língua materna, é mesmo diferença cultural… Mesmo assim, apesar da minha cara de parva a olhar para ela, ela não se cala.


Não é das melhores pessoas para introduzir alguém num meio (aponta o caminho para os sítios, dizendo “por ali para tal sítio”), tive que aprender por mim como funcionam as coisas cá em casa e ela já me chegou a perguntar se tínhamos uma vassoura! Imaginam a minha cara? Mas a gaja pensa que eu trouxe uma vassoura na mala ou acha que eu andei a fazer o inventário à casa?! LOL É só rir. Ela deve pensar que eu já arrendei quartos aqui pelo Reino Unido umas centenas de vezes :p


Mas obrigou-me a jantar com ela no meu 1º dia. Fish and chips feitos no forno, com salada e um molho (dressing) qualquer que, pelos vistos, aqui há-os aos pontapés, não admira que os bifes sejam redondos, se temperassem as coisas com azeite e vinagre seriam bem mais magros.


E deu-me um telemóvel Nokia desbloqueado! Assim só tive que pagar 99p por um cartão. Só é pena que passados dois dias se tenha lembrado que não sabe onde meteu o carregador da bateria, eu pensava que o carregador era para ficar para mim, afinal era o dela, agora tenho que arranjar outro :p


No sábado chegou a casa do trabalho e perguntou-me se queria ir com ela a Gravesend. Não, não fomos acabar na cova, parece que isso é a cidade mais perto, com um grande Asda, o supermercado dos descontos e das marcas brancas cá do sítio, e mais uma série de lojas que percorremos. Tudo porque ela anda a decorar o quarto e decidiu que não gostava dumas almofadas e foi trocá-las por outras. Não percebi essa das almofadas, ela comprou uns candeeiros com o mesmo padrão, mais umas cortinas e um jogo de lençóis, se calhar achou que já era matchy-match demais :p


Quando vínhamos embora, ainda entrámos noutra loja (aquilo tem uma rua cheia de pequenos shopping centres) e ela começa a olhar para os congelados e a perguntar-me “do you fancy this?” E eu…sim, gosto… (mas porque é que ela me está a perguntar isto?) Afinal era para escolher o jantar. Eu ainda a tentei convencer que, de bom grado, fazia o jantar para as duas, mas ela não se deixou ir na conversa. E pronto, foi uma lasagna tamanho gigante com legumes congelados à parte mais um salad dressing (vou ficar redonda não tarda nada…).


Voltávamos para o parque de estacionamento onde ela tinha deixado o carro e passámos por um rapariga que trazia um bebé no carrinho. Comentário da R. “I don’t know why this girls do this…”, o meu olhar bovino de resposta “Hummm?” e ela continuou “They are ruinning their blood lines, it will take decades to clean their blood lines of this black blood” Ok, a gaja era branca e o bebé era mulatito… Fiquei sem palavras e optei por fazer de conta que não tinha percebido. Tinha ideia que havia muito racismo na África do Sul, mas não esperava isto duma enfermeira… Ainda bem que não vou ficar aqui!

sábado, 3 de outubro de 2009

Day 2 - Meeting at the Hospital

A R. entrava à mesma hora a que eu tinha a reunião com a Nurse’s Manager e ofereceu-se para me mostrar as redondezas. Isto é, apontou assim por alto, o caminho para o shopping cá do sítio (aiai vou-me perder, é tudo igual) e o caminho para o hospital. Já reparei que ela é assim um bocado cabeça no ar, nem se lembrou de me mostrar a casa, tenho que andar sempre em cima dela a perguntar-lhe as coisas, o que por vezes se torna um bocado cansativo. Mas pronto, tirando isso parece boa pessoa.



Resumindo, seguindo por um carreirito ao longo das casas e atravessando duas estradecas, chego ao shopping de New Ash Green, que tem um pub, um minimercado (the co-operative), dois bancos com caixa multibanco (iupi!), um post-office que vende de tudo e até se pode fazer câmbio de moeda, uma Oxfam (que estava fechada), uma livraria (que só tinha livros de pesca, caça e golfe ou animais, está-se mesmo a ver do que é que esta malta gosta), um restaurante chinês e dois indianos. Aproveitei e comprei o adorado Cadbury de caramelo, barra gigante, e um cartão de telemóvel. A R. tem um Nokia desbloqueado que me ofereceu (que querida!) e já estou safa de comprar um telemóvel novo. Logo já forneço o número ao pessoal (se me esquecer, peçam-mo!). Fui também inscrever-me num médico, parece que é obrigatório aqui e que toda a gente tem, tal como é suposto acontecer na Tugalândia :p (lá eu nunca tive médico de família).


Outro exemplo de como a R. é cabeça no ar: eu disse que precisava de ir ao banco, ela precisava de comprar um cabo para a tv (mesmo assim, continua a não funcionar), fomos cada uma para seu lado, mas os bancos aqui só abrem às 10h…:p felizmente pude trocar dinheiro nos correios… Depois nem se lembrou que ia trabalhar o dia todo e que eu ia ficar sem chave e fora de casa. Lá descobri um sítio onde faziam chaves e já tenho chave, ufa!


A reunião no hospital foi uma desilusão :| Houve uma confusão acerca da minha job position (confusão? Cambada de incompetentes!!). Nos primeiros tempos, enquanto o meu registo no NMC não vier, tenho que trabalhar como health care assistant, ganha-se um bocado menos e não se pode administrar medicação, mas eu já vinha preparada para isso. O problema é que a vaga que eles tinham era só em part-time, mal dava para pagar a renda e comer… Fiquei tão chateada que nem imaginam. Então eu vinha de Portugal para aqui trabalhar em part-time?! A D., da agência de recrutamento, também se passou e deu uma descompustura à relações públicas do BMI por não ter previsto esta situação. Resultado, foi uma perda de tempo, mas deu para conhecer outro hospital, este ainda mais pequeno que o Chaucer de Canterbury onde foi a entrevista. Agora tenho que esperar que marquem outra reunião noutro hospital não sei onde…


Prometeram-me que “não me vão mandar de volta para o meu país” e que serei reembolsada pelas despesas de alojamento que estou a ter. Xiça, tanta pressa para cá chegar e agora fico aqui a anhar, sem tv, sem net, sem café, sem livros para ler (os técnicos não contam!), sem nada para visitar a não ser campo. Ainda começo mas é a jogar golfe :p


Decidi pegar nas perninhas e ir até ao Bluewater Shopping Centre, fosse como fosse na busca de net móvel e uma loja da Orange onde me explicassem como se põe o SIM card a funcionar.


Fui andando, andando, até chegar à rua principal onde havia paragens de autocarro. Não encontrei nenhuma. Mas encontrei um pub e um senhor muito simpático que me deu as indicações todas para ir para o centro comercial e ainda me ofereceu uma garrafa de água (“keep your pocket money, love, you’ll need it). Lá fui e aquilo fica longe pra caraças. E é enormeeeeee! Muito muito giro, com uma lagoa na entrada e uns riachos artificiais lá dentro, com fontes a sair das bocas dos sapos. Lá encontrei uma Orange e a senhora pegou-me no telemóvel e activou-me o cartão e o tarifário, assim sem mais nem menos e a dizer que se eu precisasse de mais alguma coisa era só dizer, darling! Um amor de senhora.


Depois fui a uma Carphone, como o J. me tinha aconselhado, à procura de net móvel que tivesse uma boa cobertura pelo país. Escolhida a 3 e comprada, lá fui à procura da zona de restauração para morfar qualquer coisa. Ainda deu para reparar que tinham bolsinhas da Golla iguais à minha à venda, bastante mais caras. Ranhosos!


Decidi-me por indiano. Uma chicken madras very hot (picante), com meio kg de arroz debaixo e uma bebida por 4,90 libras, nada mau. Depois um espresso que era uma bela bodega, bebido lá fora a olhar para os patinhos no lago e a apanhar um solinho bom.


Aproveitei para dar um saltinho ao Marks & Spencer, secção da comida, onde comprei mais umas coisitas que não vinha no welcome pack da agência.


O autocarro ainda ía demorar hora e meia (como é que é possível) e como também não me queria arriscar a perder-me no meio do casario carregada de sacos, apanhei um táxi (na noite anterior, extraí a morada da R. quase a ferros, felizmente). Foram 10 libras com desconto, que o senhor taxista, que também me tratou por “love”, deve ter engraçado com a minha cara e descontou 7 libras do taxímetro!


Ah, outra borla! Fui espreitar a Boots e vi lá a revista deles, de longe dizia “Free” mas em letras pequenas era grátis apenas para quem tem o cartão não sei quê da Boots, uma libra para os outros mortais. Uma senhora da loja viu-me a folheá-la e perguntou-me se eu queria. Eu respondi que não tinha cartão e ele “It’s free for you, darling, take it”. Uau! Sabe bem ser uma love e darling :))



Cheguei a casa sem incidentes (ufa, é esta casa mesmo, a chave abre a porta). Ligar a caldeira para tomar banho “daqui a bocado”, arrumar as compras e começar a surfar na net :) pronto, já estou mais feliz, nem tudo é mau!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Departure Day

E pronto, dia 1 de Outubro lá fui eu, o N. e a S. para o aeroporto. Desliguei a electricidade, água e gás e fechei a minha casinha. Despedi-me dos vizinhos e do senhor do café, que me ofereceu um pastel de bacalhau (Olhe que lá não tem disso, menina!) e lá fomos.



Apanhámos trânsito em Lisboa, mas felizmente íamos com tempo que somos pessoas prevenidas. Fiz o check in e lá fui pagar o excesso de bagagem sem piar (muito). Claro que houve uns percalços: fila com demora, que depois descobrimos que era a fila errada, cartão multibanco que não funcionava (ops, já é dia 1!), mas deu tempo para ir até à esplanada que eu nem sabia que existia se não fosse a S. Mais umas fotos e o fornecimento dum victanzinho para o stress e lá nos despedimos.


O voo correu às mil maravilhas, o lugar ao meu lado até está vazio, tive direito a uma “refeição leve” (uma sandocha quente de queijo e algo que não era fiambre nem bacon, mais uma salada de fruta a sério e sem açúcar que era de louvar por não ser só maçã e laranja, acompanhada por muitos copos de água e uma cena a que chamaram café). NÃO ME VOU HABITUAR A ESTE CAFÉ! Humpf! Incrível incrível é que o avião aterrou meia hora antes do previsto e estava um grande solão, até despi a camisola. Assim, andei a arrastar o casaco, a camisola, a carteira cheia de tralha mais o portátil :p Felizmente 3 (sim, três) rapazinhos ajudaram-me a tirar as malas do tapete rolante para o troley, estava mesmo difícil, tenho pena dos senhores que carregam as malas nos aviões. E saí e já estava o J. à minha espera com um grande sorriso :)


O J. faz parte da agência de recrutamento e é o encarregado de fazer de motorista e caçador de quartos para as pessoas que vêm para cá trabalhar. Pegou nas minhas malas mais o portátil como se não fosse nada e fomos para o carro. Destino: a minha nova casa.


Pusemos a conversa em dia e ele fez-me uns updates acerca da casa e do hospital, assim como do trajecto que eu ia ter que fazer. Ainda tentámos ver se um cartão da Orange funcionava no meu telemóvel, mas o bicho está mesmo bloqueado. Ranhosos!



E que maravilha, este pessoal é mesmo prevenido! O J. foi às compras para mim, diz que é o “welcome/start pack”, que consistia em lençóis, almofadas, edredon, papel higiénico, detergente para a louça, leite, ovos, manteiga, pão, açúcar, batatas, cenouras, maçãs, queijo, 2 pacotes de massa, óleo, corn flakes e 2 frascos de molho bolonhesa. :))) Fiquei bem fornecida! E foi a minha sorte, porque aqui as lojas fecham às 18h.



Chegámos ao meu destino no belo condado de Kent, muito verdinho, muita relva, muitas árvores, muitos cavalinhos e cabrinhas, paisagem típica das séries que via na Brit Com (Little Britain, tal e qual). A minha housemate, a R., que também é enfermeira no mesmo hospital, estava de serviço e aproveitámos e fomos ter com ela ao hospital. Topei-lhe logo a pinta (ao hospital): recepção com cadeiras estofadas e sofás, tapetes, quadros nas paredes… Bela pinta! Muito fancy, sem dúvida.


A casa é engraçada. Isto aqui são blocos e mais blocos de casas iguais (ai ai vou-me perder aqui no meio sem pontos de referência) de tijoleira castanha, casinhas de 2 andares, com grandes janelas com aquela cena que já tinha reparado nos bifes de não usarem cortinas e a gente poder ver tudo lá para dentro (coisa que me chateia à brava), muita relva e árvores em todo o lado.


A casa tem 3 quartos, o meu fica no 1º andar, com um grande roupeiro espelhado e uma janela enorme. 2 casas de banho, uma cozinha e uma sala de estar e jantar (lounge) bastante grande e muito mal aproveitada (decoração estilo cocó, como a S. baptizou). Nas traseiras tem um jardim cercado, com uma estufa que aparentemente é usada para guardar tralha e foi tomada pelas aranhas. O jardim está bastante abandonado, o que não admira numa casa arrendada. É uma pena não ter uns banquitos porque ainda estiveram uns dias com um solito em que se estaria ali muito bem.


Particularidades, assim de repente… Os bifes ainda não perceberam que não dá jeito nenhum ter duas torneiras, uma para a água quente outra para a fria, em vez duma misturadora? É que já vi não sei quantas cozinhas e casas de banho aqui assim… Água aquecida por caldeira… Pois, como no “Allgarve”, demora algum tempo a aquecer e quando se acaba…acabou! Depois tem que se esperar mais um bocado (assim tipo uma hora ou duas) que a caldeira encha e aqueça a água. Felizmente só somos 2 aqui nesta casa. A casa é toda alcatifada. Toda, mas mesmo toda, até a cozinha e as casa de banho. Alcatifa cor-de-rosa. Menos na sala que é castanha com umas flores amarelas, vermelhas e azuis, estilo cocó.


Tenho uma televisão no quarto que não apanha canal nenhum. Segundo a R., funcionava na semana passada, mas agora nada...nem com o manual de instruções consegui pô-la a apanhar alguma coisa. E não tenho internet. E não há um vizinho que tenha a wi sem segurança, que chatice. Amanhã tenho que tratar disso, sem falta, senão fico parva da mioleira aqui! Entretanto já desfiz as malas todas e reparei que me esqueci dos óculos de leitura (felizmente tenho lentes de contacto diárias para 90 dias) e maldisse a hora em que resolvi não trazer dvds e jogos de computador.



Cavalinhos no trajecto hospital-casa

Janela do quarto

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

The days before departure



A semana que antecedeu a minha partida para o Reino Unido foi um corropio.





Primeiro, havia a questão dos papéis para o NMC e para o BMI. Documentos e fotocópias autenticadas mais as respectivas traduções. A minha sorte foi a ajuda da A., que me fez as traduções todinhas num instante. Se tivesse ido a uma empresa ainda hoje estaria à espera e teria que desembolsar uma batelada de dinheiro. Assim, a A. Levou uma semana e ganhou uma massagem ;)


Só na 3ª feira pude, finalmente, ir a um Cartório (obrigada pela ajuda, R.!), certificar as traduções e tirar fotocópias autenticadas. E isso foi mesmo uma batelada de dinheiro. Mas assim resmas mesmo! Para a próxima, em vez de seguir Enfermagem vou ser Notária e abrir um Cartório e viver à grande. As outras hipóteses seriam ser Dentista, Cirurgião Plástico ou Farmacêutico. Tudo coisas que dão dinheiro e são sempre precisas. Tinha é que ter cunhas para ter muita clientela. Mas, como dizia a outra, isso agora não interessa nada.


Mas sei que nada disto teria sido possível sem a ajuda do N., meu amigo incansável, que já ganhou o seu lugar no Céu sei lá quantas vezes por toda a ajuda psicológica e financeira que me tem prestado. Sem ele não estaria aqui, a sério! Trenguito, tu estás lá!


Tirando os papéis e toda essa dor de cabeça, havia um sem número de pessoas das quais me queria despedir, outras que se queriam despedir de mim e eu nem por isso. É estranho, mas não vim assim para tão longe e há pessoas que passam meses sem me ligar peva que de repente queriam despedir-se de mim. Enfim, há gente estranha. Deve haver um qualquer factor psicológico nesta questão que não me apetece analisar. Os bons amigos vão sempre dando notícias e não é por eu mudar de país de residência que deixamos de nos dar. Como disse a J., “we’ll always have Facebook”! Não é a mesma coisa que tomarmos um café juntos, partilharmos uma refeição, um cinema ou uma simples conversa em pessoa, mas é melhor que nada, não é?


Portanto, nessa última semana tive que começar a apontar na agenda os encontros, os cafés, os almoços e os jantares, mas deu para (quase) tudo. Quando há boa vontade é mais fácil conseguir levar as coisas avante, sem dúvida.


Depois havia toda a questão logística da bagagem. Tendo em conta que teria que levar roupa de Inverno, mais calçado e que sou gaija, foi um grande problemão. Isso e o limite de 20 kg que a TAP impõe. Se eu soubesse, tinha comprado bilhete de 1ª classe, não tinha pago excesso de bagagem e ainda ficava a ganhar. Mas pronto, a gente vai aprendendo e para a próxima já sei como é. Portanto, enfiei roupa de Inverno, calçado de Inverno, roupa interior, 2 pijamas, lençóis, livros técnicos, dicionário e artigos de higiene em 2 malas e cá estou eu! Nessa altura só me lembrava da mala do Sport Billy, tinha-me dado um jeitão do caraças!


O fim de semana anterior à minha partida foi passado no Algarve, um presente do N. que não esquecerei: uma estadia de 3 dias no Monte da Quinta Resort, com direito ao uso do Spa.


Que maravilha que isso foi! O hotel em si é lindíssimo, parecia tirado duma revista de decoração. Suites, corredores, piscina, recepção, spa, tudo decorado de forma brilhante e moderna, muitos quadros e estátuas. Lindo, lindo, lindo! E o spa…adorei a massagem Vichy com exfoliante. A seguir, passei a tarde a fazer banho turco, duche escocês e sauna. Foi uma prenda de despedida mesmo inesquecível. Obrigada, N. :))
Assim sim, vale a pena ir passar férias ao “Allgarve”, percebo porque é que os bifes gostam tanto daquilo: champagne ao pequeno-almoço, comida gourmet, pessoal super atencioso… Quando for rica vou passar as minhas férias sempre ali, saio de lá com a pele que é uma beleza!